sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

PNE e o cenário atual da educação brasileira


Vemos que o aspecto da formação/capacitação do professor para a sala de aula tem sido efetivada na prática assim como reza o PNE, e que, de fato, é sim importante uma boa qualificação para que os profissionais da educação tenham subsídios técnicos e teóricos para fazer uso desses subsídios em diversas ocasiões em sala de aula.
Sabemos que no contexto global em que vivemos, na era da tecnologia avançada, este profissional deve dar continuidade a sua formação, participando de debates, discussões, treinamentos específicos, cursos técnicos, o que se chamava antigamente de “reciclagem”, pois, o que se visa chegar com isso tudo é uma melhor qualidade de aulas oferecidas aos alunos no Brasil.
Quanto à questão da valorização do profissional da educação, nota-se um grande déficit de valores salariais dos professores, enquanto existe investimento muitas vezes em estrutura logística, falta investimento no material humano, muitas cidades e sistemas de educação municipal nem têm o plano de carreira para o magistério, no momento atual vemos sim professores recebendo grande investimento dos governos para estes receberem melhor qualificação para a sala de aula, no entanto, não vemos essa valorização em termos financeiros para este tipo de profissional, principalmente no que tange a educação básica dos anos iniciais, o que deveria ser o propósito mais importante da educação pois é onde ocorre o desenvolvimento intelectual dos alunos.
No modelo de escola em que temos hoje, o ideal é que se tenha uma educação em tempo integral para o melhor aproveitamento dos alunos, conforme vemos em alguns países que tem os níveis de educação mais elevados, como Japão, Estados Unidos, Portugal, França, Espanha, etc., portanto ao invés de termos pouco tempo de aula e muitos alunos compilados muitas vezes em uma sala de aula só, o ideal seria que tivéssemos mais salas com um numero menor de alunos em cada uma delas e assim o professor poder dar maior atenção a cada um dos alunos.
Com isso o profissional da educação teria tempo de fazer o acompanhamento e lecionar para um grupo de alunos e também de participar de discussões, debates, planejamento, articulações, preparação de projetos ainda dentro do ambiente escolar, em um turno oposto ao das suas aulas.
Portanto, concluímos que algo está sendo feito para colocar em prática as idéias e leis teóricas constantes no PNE, porém, constatamos também que até que a parte teórica do PNE seja completamente efetivada na prática, deve deixar de “andar a passos de tartaruga” e avançar com maior velocidade para que haja uma realização daquilo que os governos planejam,e deixei as  leis somente nos papeis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário